Lições de Sabedoria

Lições de sabedoria – “Pedras” importantes da vida

Estou seguro que criar valor duradouro nas nossas vidas é desenvolver sabedoria. Acredito que encontramos o caminho para a sabedoria na compreensão das lições das experiências que temos. Boas ou não!

Lições de Sabedoria

A capacidade de aprender depende do nível da tua consciência. Sendo assim, algumas destas estratégias ou experiências não farão sentido, a menos que expandas a tua consciência. Só então serás capaz de entender o seu valor. Talvez aquelas que não ressoam imediatamente contigo sejam as que mais precisas! 

Tu poderás até perceber que perdeste a oportunidade de aprender algumas delas.

Não desanimes. Todos começamos em lugares diferentes. E lembra-te, todos cometemos erros e perdemos oportunidades de aprender e crescer. De certa forma, isso também faz parte do nosso processo de aprendizagem. Continua a fazer as coisas certas e certamente progredirás. Ajuda outras pessoas ao longo do caminho. 

Copia o link deste artigo para os teus favoritos e relê-o como um lembrete.

Dessa forma verás que esta lista contém uma variedade de coisas diferentes. Envolve trabalho interno, uma filosofia de vida, ferramentas para o desenvolvimento e organização prática. Se as aplicares à tua vida, perceberás a diferença. Então fá-lo!

Vamos começar?

1. Aprende a observar os teus pensamentos

Tu vais encontrar carros amarelos em todo o lado se estiveres constantemente a procurar por eles. Da mesma forma, encontrarás oportunidades se estiveres a pensar em encontrar novas oportunidades. Deste modo, também ficarás zangada/o com a vida se estiveres constantemente a buscar irritações e frustrações. Certo?

Portanto, é muito importante aprender a observar e direcionar a tua “Vida” de pensamento. Acima de tudo, esta é uma das lições importantes da vida. Se não aprenderes a fazer isto, é mais provável que te envolvas em padrões de pensamento prejudiciais. Como resultado, perderás toda a beleza e oportunidades que sempre existem. Se não aprenderes a fazer isto, será muito difícil aplicar as outras lições da sabedoria . Antes de poderes direcionar os teus pensamentos, deves aprender a observá-los sem julgamento.

A capacidade de observar sem avaliar é a forma mais alta de inteligência.
– Jiddu Krishnamurti


2. Protege a tua saúde e bem-estar

A nossa capacidade de experimentar a vida reside na nossa capacidade de manter a nossa saúde física e mental. Estamos todos num lugar diferente em relação à nossa saúde e bem-estar. Só porque não és a imagem perfeita da saúde não significa que não és importante. Assim, mais e mais pessoas concluem que a Durabilidade deve ser o nosso objectivo. A nossa saúde e bem-estar afectam o nosso caminho.

Primeiro, lembre-se de olhar para as estrelas e não para os seus pés. Segundo, nunca desista do trabalho. O trabalho dá-lhe significado e propósito, e a vida é vazia sem ele. Terceiro, se tiver sorte o suficiente para encontrar o amor, lembre-se de que existe e não o deite fora.
– Stephen Hawking

Então, isso significa envolveres-te em autocuidado. Ouvir música e passar um tempo a meditar. Faz todas as coisas que são boas para ti sem ferires ninguém ou o meio ambiente.


3. Aprende a seguir o teu próprio caminho

Esta é talvez a decisão mais importante da tua vida. Trilhares o teu próprio caminho é o oposto de seguires uma religião. A religião é dogma a respeito de um ser supremo e o que pode acontecer depois de morrer. Alguns incluem regras para governar o teu comportamento. É estar dentro de uma capa de medo de punição eterna para aqueles que discordam versus um paraíso eterno para quem se submete. Visto que seguir o seu próprio caminho é uma exploração espiritual, isso não tem nada a ver com religiões. Envolve sim, a aplicação de “tecnologias espirituais” para abrir e expandir as portas da consciência. Essas “tecnologias espirituais” resistem aos testes da ciência pois produzem fenómenos experimentais comuns que são repetíveis.

O que são tecnologias espirituais? Existem muitas maneiras de listar esses processos. Eu gosto de métodos simples e eficazes. (Eu faço Coaching, certo?)


Em primeiro lugar, a aplicação do raciocínio lógico. 

Isso inclui raciocínio dedutivo e indutivo. Além disso, existem várias “ferramentas lógicas” para aprimorar a tua capacidade de discernir fatos da ficção.

Outra ferramenta importante é o perfil de personalidade do eneagrama. Esta ferramenta permite-nos entender os mecanismos do ego, personalidade e instintos. É também uma porta para entender as virtudes e os dons do espírito .

Variações da meditação sentada. Isso inclui uma variedade de exercícios de Mindfulness até à Meditação Japa e os Siddhis de Patandjáli .

De seguida, variações da meditação em movimento. Por exemplo, inclui vários métodos de coleta de energia, como “banhos florestais” , Qigong e Tai Chi.

Por fim, existem várias modalidades de Cura, incluindo, entre outras, Pejut, Reiki e Shiatsu. Estas modalidades também incluem vias de expansão da consciência, como o “Lucid Dreaming” e a Jornada Xamânica ou a Meditação Guiada.


4. Sê um/a sobrevivente em vez de uma vítima

Escolher o papel de sobrevivente é outra decisão vital. Tu podes ver a vida de duas maneiras:

Ou o Universo está do teu lado ou está contra ti. 

Se achas que o Universo está contra ti, é fácil assumir o papel de vítima. E, como vítima, sentes-te com direito a piedade. E, se os outros não participarem da tua “festa de piedade”, eles também estão contra ti. A vítima está sempre à procura de maneiras de ser uma vítima. Enquanto vítima, nunca serás uma sobrevivente e nunca uma campeã.

Para passar do papel de vítima, deves parar de culpar os atos aleatórios do caos da vida. Para fazer isso, deves aprender a corrigir os teus padrões de pensamento. Tens de aprender a observar os teus pensamentos e depois redirecioná-los. Por exemplo, se estiveres a conduzir e alguém passar à tua frente, não penses automaticamente que eles estão contra ti. Em vez disso, pensa que eles devem estar com pressa. Ou talvez estejam atrasados ​​para o trabalho ou para alguma reunião importante. 

Não leves tudo o que acontece como um ataque pessoal. Não coloques automaticamente más intenções nas ações dos outros. 

Se não conheces a prática básica da meditação de atenção plena (mindfullness), aprende e usa-a. Aprende a ser uma sobrevivente e uma campeã em vez de uma vítima.

O benefício imediato é que os teus dias serão mais fáceis, menos estressantes. Tu apreciarás mais as coisas. Tu verás oportunidades para ajudar outras pessoas. A “Navalha de Hanlon” é um aforismo que expressa esta ideia perfeitamente.

Nunca atribua à malícia aquilo que pode ser adequadamente explicado pela estupidez.
– Robert J. Hanlon


5. Aprende a dar e compartilhar

Se não aprendemos a dar e a compartilhar enquanto crianças, o mundo vai sofrer. É vital que se aprenda que nem sempre devemos ser a personagem principal no palco da vida. Essa pode ser uma lição difícil, especialmente se foste o centro das atenções enquanto criança. Os adultos com essa mentalidade acreditam que tudo e todos estão aqui para apoiar o seu papel de liderança. Eventualmente, esta lição de vida forçosamente será aprendida. Eles acabam por falhar nas coisas grandes. E pior ainda, quando perdem, derrubam outras pessoas com eles. Não deixes que isso sejas tu. Em vez disso, adota a mentalidade de iniciante para promoveres a aprendizagem e a partilha.

Percebe que ser um bom ator secundário é bom para ti e outras pessoas no teu círculo de influência. Deixa que outros assumam o papel principal ás vezes. Permite que o teu papel mude com o fluxo e refluxo das circunstâncias. Partilha e dá aos outros o centro do palco.

Da mesma forma, aprende a dar o que procuras. 

Esta é a maneira de plantar sementes que levarão a uma boa colheita. Por exemplo, uma das melhores maneiras de se lidar com a perda é prestar serviço aos outros. Faz o que puderes na tua esfera de influência. Olha para isto desta maneira: podes ser um/a “dador/a” ou um/a “tirador/a”. Os dadores tendem a ser mais felizes que os que tiram. Pergunta a ti mesmo se tiras mais do que dás? 

Como um/a “dador/a geral”, tu e todos os que estão ao teu redor serão beneficiados. Como dador/a, tu começarás a apreciar mais as coisas. Tu verás oportunidades para ajudar outras pessoas…

Se você enviar a bondade de si mesmo, ou compartilhar o que é feliz ou bom dentro de você, tudo voltará para você multiplicado dez mil vezes. No reino do amor não há competição; não há possessividade ou controle. Quanto mais amor você der, mais amor terá. – John O’Donohue


6. Evita a visão de túnel

Existem três perspectivas sobre a vida. A pessimista, otimista e realista. Ficar trancado em qualquer uma delas causará “visão de túnel”. Ou, mais precisamente, a falta de visão adequada.

Pessimista

Na perspectiva pessimista, verás tudo a resultar da pior forma possível. Não é uma coisa má avaliar o risco das coisas. No entanto, se entrares numa espiral pessimista, ela pode levar-te à depressão. Então, aprende a observar a tua “Vida” de pensamento. No momento em que te perceberes a correr atrás de um apocalipse, pára. Respira fundo. Encontra o teu ponto de equilíbrio.

Otimista

Ser um eterno otimista também apresenta problemas. O otimista ignora os problemas. Ou, tenta abafar os problemas fazendo de conta. Pensar pensamentos felizes nem sempre é a saída. Às vezes é preciso encarar o touro. Percebe que as coisas nem sempre dão certo. Olha para as coisas de forma realista. Encontra o balanço da vida nos seus altos e baixos.

Realista

Como realista, deves encontrar a coragem de abraçar as perspectivas otimista e pessimista. Caso contrário, perderás oportunidades contidas no sucesso e no fracasso. Aprende a manter o equilíbrio. Escreve uma lista de coisas pelas quais sentes gratidão na tua vida. Coloca esta lista num lugar que possas ver. Isto vai ajudar a mudar a trajetória dos teus pensamentos e emoções. Pergunta-te constantemente: “o que devo aprender?”

E adivinhaste! O benefício é que o teu dia será mais fácil, menos estressante. Tu começarás a apreciar mais as coisas. Verás oportunidades para ajudar outras pessoas. Todas as três perspectivas têm o seu lugar. Não fiques preso/a numa. Não fiques preso/a em nenhuma perspectiva. Vive a vida fazendo uso dos três papéis.

O pessimista reclama do vento; o otimista espera que isso mude; o realista ajusta as velas. – William Arthur Ward


7. Comunica com honestidade

Se a comunicação honesta é a raiz da felicidade, então a má comunicação é a raiz da infelicidade. Deves cultivar a coragem de comunicar honestamente quando for possível e prático. Portanto, é vital que aprendas a discernir o quando. Há situações em que é preciso usar restrição na comunicação. No entanto, com o teu círculo interno, deves cultivar a capacidade de comunicares honestamente. Cultiva a honestidade… bem, sendo honesto/a!

A comunicação é complexa. Supores que a tua comunicação será sempre entendida da maneira que pretendes é um grande erro. Portanto, solicita sempre feedback para garantires que o significado da mensagem é entendido. 


Lembra-te de que a maioria das pessoas não te está a ouvir, mas sim a responder ao que estás a dizer. 

Isto significa que a maior parte do poder de “computação” das pessoas não está no receber a intenção da tua mensagem. As pessoas não conseguem ler a tua mente ou as tuas expectativas. Se a tua mensagem não for compreendida, ficarás sempre desapontado/a. Relembra o ponto acima sobre ser uma vítima.

Esta é uma daquelas percepções que aliviarão pressão. Isso facilitará a tua convivência. Vais descobrir que te desapontas com menos frequência quando assumes a responsabilidade de comunicar as tuas reais expectativas. Não confundas escolhas simples com “tendenciosidade” e preconceito. Aprende a identificar isso em ti e nos outros.


8. Superar a paralisia de decisão

A ideia de que o Universo irá enviar um presságio ou sinal para confirmar cada decisão tua leva à “paralisia de decisão”. Esperar por um sinal divino leva a muitas decepções. Isto porque o Universo não se importa se compras brócolos ou espargos! Ou podes não entender o presságio ou interpretá-lo erradamente.

Sim, sincronicidades e presságios ocorrem. Acredito que sim.

No entanto, na maioria das vezes as decisões da vida estão nas nossas mãos. Afinal, como vamos adquirir lições de sabedoria se não tomarmos as nossas próprias decisões? Portanto, se não recebes um sinal para uma decisão importante, talvez o Universo queira que decidas tu. Quanto mais decisões importantes tomas, mais experiência ganhas. E, acredites ou não, a tua vida é menos estressante quando assumes a responsabilidade pelas tuas decisões.

Directamente relacionado à “paralisia de decisão”, está o aprender da importância de assumir riscos calculados. No entanto, não confundas “comportamento de risco” com riscos calculados. Aprende a diferença. Riscos desnecessários ou irracionais devem ser evitados. O estudo do raciocínio lógico e das ferramentas relacionadas ajudar-te-á a fazeres a distinção.

No nosso íntimo profundo, somos essencialmente tomadores de decisão. 

Tomar decisões e escolhas envolve uma avaliação de risco. Aprende a estimar as probabilidades a partir de possibilidades. Novamente, o estudo do raciocínio lógico é fundamental para essa capacidade. Vive corajosamente, mas não estupidamente! Lembra-te de que és um ser humano e cometerás erros. No entanto, aprende com os TEUS erros. Aprende as lições e escolhe com mais sabedoria. Esta é uma daquelas coisas da vida que se repetem infinitamente.

O benefício aqui é duplo. Se o risco der certo, vences. Se perderes, aprenderás uma lição valiosa para a próxima vez.

A paralisia da análise é uma epidemia que paralisa inúmeros sonhos e grandes idéias. Seja rápido, decisivo e sempre siga em frente! – Matthew Loop


9. Evita o perfeccionismo e a comparação

A perfeição é o santo gral de qualquer mestre. O mestre quer que os seus alunos busquem a perfeição. Eles querem que se lute pela perfeição, porque é quase impossível de alcançar, mas mantém-nos focados na tarefa. O mestre faz-nos “acreditar” que todos podemos alcançar a perfeição, mesmo que isso não seja realista. Então, comparamo-nos à perfeição e descobrimos que não conseguimos. E aí estamos na prisão. Comparar o nosso estado atual a alguém ou a outra coisa é o que alimenta o consumismo e o materialismo. Uma prisão de valores em constante mudança e irrealistas.

Por exemplo, vês um anúncio que mostra os benefícios que um qualquer produto pode trazer. Mostra uma pessoa bonita que tem uma vida bonita. E tu também desejas isso, mas deves comprar primeiro este produto. Então, imediatamente comparamos a diferença da nossa situação. E, como resultado, és seduzido/a a comprar o produto. Aprende a questionar esta “narrativa cultural”. 

Aprende que já és perfeito/a no teu estado de imperfeição

Nesta cultura voltada para o consumidor, esta é definitivamente uma das coisas que precisas dominar. Não te deixes seduzir pela publicidade ou propaganda. E a propósito, esta tática não é nova. Foi aperfeiçoada pela religião organizada ocidental para vender todo tipo de coisas, desde a “vida após a morte” até à “limpeza da tua consciência culpada”.

O benefício disto é quase imediato. Vais encontrar auto-aceitação. 

E vais comprar menos coisas. 

E como resultado disso, vais valorizar mais as pessoas do que as coisas.

Excelente!

Você não ama alguém porque ele é perfeito, mas o ama, apesar do facto de ele não ser. – Jodi Picoult

Comparação é a morte da alegria. – Mark Twain


10. Aprende o valor do tempo

O tempo é a nossa posse mais valiosa. Quando vais trabalhar para alguém, permites que compre o maior património da tua vida. Mas a maioria das pessoas trata o seu tempo como algo insignificante. Certa e seguramente não sabemos exatamente quanto tempo temos. Então, precisas estar bem ciente do seu valor. Lembra-te sempre de como o usas. Trata o teu tempo como se fosse ouro (ou algo Dolce e Gabbana). 

Guarda-o cuidadosamente. 

A maior perda de tempo é a maior parte daquilo que consomes na TV. Por exemplo, as notícias são um “ladrão” sob o pretexto de fornecer informações úteis. Em vez disso, é principalmente marketing que te mantém como um cliente para a venda de publicidade. De longe, o maior “ladrão de tempo” foi a religião. Aperfeiçoou a manipulação do pensamento de grupo em grande escala.

Faz a ti mesmo a pergunta: TV, Notícias ou Religião tornam a tua vida melhor? Ou alimentam raiva? Medo? Incerteza? Insegurança? (Covid-19, anyone?!)

Tira-os da tua percepção e descobrirás imediatamente que a vida é mais fácil, menos estressante. Vais apreciar mais as coisas. Tu notarás as tais oportunidades de ajudar outras pessoas.


11. Aprende a deixar ir

O Tempo passa. E diz-se que cura… mas isso não significa que não existam arrependimentos. Isso também significa que é difícil deixar a dor de um trauma no passado. Toda a gente diz que o que é preciso fazer é perdoar. No entanto, não dizem que isso não é um evento único. Sim, a dor foi causada por uma pessoa ou um evento, mas, o ato de perdão é um processo contínuo para deixar essa memória ou dor.

Existem dois grandes professores, o mundo e seu coração. E há duas grandes lições: vivemos e morremos. Acima de tudo, existem duas grandes experiências, amor e perda. – Guru Tua

É difícil pensar na perda como uma boa experiência. Mas, num sentido, a verdadeira felicidade não seria possível sem ela. Ajuda-nos a apreciar e a saborear as coisas que realmente importam. Todo o processo de deixar as coisas irem embora ajuda-nos a crescer. É uma perspectiva que todos precisamos aprender a adotar.

Há quem diga que o conceito de clausura é possível apenas para pessoas que nunca sofreram realmente. Esquecer algo tão importante não existe. Poderá sempre existir arrependimento ou dúvida sobre a perda. Pode-se sempre duvidar de si mesmo… ter dito isto ou tentado aquilo.

O mesmo se aplica às “coisas” que acumulamos. Não deixes que as coisas que possuis, possuam a ti. 

Então, aprende a “desintoxicar” a tua vida. Não caias na armadilha do consumismo. Deixa coisas que simplesmente ocupam espaço. Há vários recursos disponíveis sobre este assunto. Encontra um que ressoe contigo (Feng Shui?). Existem sempre oportunidades na nossa vida para praticar isso; portanto, isto deve obviamente ser uma das coisas importantes a aprender. E isto aplica-se a amigos, e especialmente aos relacionamentos e professores espirituais.


12. Prospera onde estiveres

Para se viver uma vida realizada, precisamos de três ingredientes. Esses elementos são:

coragem, esperança e vulnerabilidade. 

Juntes quando juntares estes três ingredientes, obterás realização. Acima de tudo, enche a tua vida de esperança e permite tornares-te vulnerável. Isso vai abrir os teus olhos para a injustiça social. Como resultado, isso dará direção ao teu coração. Poderás encontrar um lugar e um espaço na tua esfera de influência para contribuir. Aprende a viver uma vida corajosa .

Quanto mais coragem, mais se desperta. Assim, a tua consciência também irá crescer. Essa consciência maior (ou um trabalho “One on One” comigo 😉 vai mostrar-te onde podes mesmo fazer a diferença.

Pensamentos finais

Se estivermos presentes, podemos ver estas lições de sabedoria. Se estivermos a dormir, repetimos as mesmas situações. Então, quando isso te acontecer, pergunta:

“Qual é a lição”?

Com Amor,

William Maurício

(Interessada em explorares o teu “Eu”? Confere o meu processo de Transformação, “Conhece-te. Confia. Conquista”. Eu trabalho junto a outras pessoas no desenvolvimento do seu próprio caminho, rumo a uma versão mais genuína e capaz, na Vida, no Amor e no trabalho.

Podes agendar aqui uma Sessão Gratuita comigo e descobrir tudo!)

Ah, subscreve o meu canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.